quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Fazendo o balanço anual !




Sim, em final de ano, parece final de mandato eletivo.
Relatório anual dos feitos, dos erros, acertos, não feitos e por aí vai. É contagem regressiva.
Na Contabilidade, é hora de arregaçar as mangas e preparar relatórios finais.
Meu relatório de final de ano, se resumirá em algumas palavras..


Culpa.
Sim sou culpada por deixar esse blog tão, mas tão abandonado por tanto tempo. Quem já passou por aqui, sabe o quanto gosto de escrever, relatar fatos, situações, expor coisas simples, básicas ou apenas que se tornaram interessantes para mim. E senti nos últimos meses um vazio intelectual, um bloqueio, que me impediu de expor quaisquer coisas aqui, sem que me tornasse chata, repetitiva ou desinteressante. Não que alguém possa vir aqui e achar o ápice da maravilha, mas eu sinto uma necessidade, mesmo que às vezes ínfima, de expor algo interessante. E eu o deixei por muito tempo de lado.
Espero que minha cabeça volte a fervilhar para que eu não o abandone tanto.



Raiva.
Senti raiva, raiva de atitudes próprias, atitudes de outros. Quando pensei que alguém poderia estar junto comigo, em interesses mútuos, almejando objetivos maiores, vi que não era tão fácil, prático e objetivo assim. Senti uma raiva, mesmo que pequena, de que tudo que eu almejava poderia ir para o ralo.
Revirei pensamentos, objetivos e com o passar de pouco tempo, vi que raiva não acertaria nada, somente iria trazer-me mais desilusão.. Tomei a providência rápida e a fiz dissipar-se.



Desilusão.
Concomitante a raiva, surgiu a desilusão. Desilusão com propósitos, objetivos, pessoas. Coloquei certezas, clarezas e esperanças em situações que não se propagaram. Desiludi-me com coisas muito almejadas e nem sempre isso é bom, óbvio, não é bom, afinal foi algo muito almejado e não concretizado. A desilusão, obviamente, iria bater.
Bateu. Foi ruim. Gosto ruim, mas como tudo, se saboreia, se prova, se rejeita, passa.


Saudade.
Senti saudades de pessoas que se foram. Se foram para outro plano, que hoje eu só posso lembrar por momentos alegres, engraçados e fraternos que vivemos. Ainda bem que tivemos e eu pude relembrá-los com carinho e me deu uma baita saudade.
Saudades também, dos que foram, mas para outro lugar, ainda nesse plano, mas a alguns quilômetros de mim e que não tenho disponibilidade de vê-los a qualquer hora, momento que desejo. Quis, em vários momentos, ao meu lado, mas ainda bem que a cada dia eu relembro que momentos bons, não podemos deixar passar, e mesmo que a longa distância ainda dá para suprir a saudade por meio virtual. Cada dia aprendo que não há motivo que nos impeça de valorizar um segundo sequer de pessoas queridas e que amamos. E eu to valorizando cada um desses segundos.



Tristeza.
Tive momentos difíceis que ocorreram na vida pessoal, profissional e financeira. Tive momentos em que por mais que lutasse parecia que a coisa não iria andar, não iria se resolver, o problema permaneceria. Mas eu não paro um minuto sequer de acreditar que pode mudar. Um minuto sequer paro de batalhar para mudar. Para alterar o quadro. Sempre na esperança, na busca constante para o melhor. E tudo, aos poucos e com persistência veio. Os problemas de saúde se foram para longe e vejo a cada dia a melhora de minha mãe, numa evolução rápida. Almejei alguns objetivos profissionais e eles estão vindo, afinal nunca desisti, por mais difíceis que foram, sejam ou serão.



Felicidades.
Em meio a tantas turbulências, tive muitos momentos felizes. Obviamente a recuperação da minha mãe foi a maior das alegrias. Novamente vê-la como sempre a vi, batalhadora, guerreira, forte, foi e está sendo uma enorme felicidade.
Conheci pessoas que me trouxeram momentos felizes. Alguém pode aparecer na tua vida e ficar, ficar por muito, muito tempo. Pessoas que viram amigos e se consolidam, outros vem te trazem muita felicidade e se vão. Outros, vem e rapidamente se vão. Mesmo assim, independente do período que permanecem, podem trazer felicidades de tamanhos e conotações diferentes. Vivi, vivo e ainda viverei muitas felicidades. Depende de quando, quem e como permanecerão na minha vida, mas independente disso, me preencheram em momentos muito bons.



Gratidão.
Em contrapartida a desilusão, raiva, eu agradeço sempre por certas situações, momentos e/ou pessoas que passam ou estão na minha vida. E eu tenho uma gratidão enorme por muitas delas. Pessoas principalmente, que estão na minha vida e são de uma importância imensa, que me deixam mais feliz e realizada a cada dia, por estarem sempre de braços abertos a me ajudar, me receber, me acalentar.


Realização.
É uma palavra com um sentido enorme, bravo. Termino meu ano, feliz, realizada pelo que, por mais que tenha tido percalços pelo meio do caminho, cá estou conseguindo realizar certos objetivos. Realizado sonhos, realizado coisas difíceis, batalhadas.
Tenho muito mais sonhos a realizar, muito mais batalhas a percorrer, muito mais objetivos a alcançar.
Mas para isso, outro ano, logo logo ta batendo a minha porta.
Pode vir, estou te esperando de braços abertos.



Feliz Natal e um excelente 2012 para todos que, muito grata, passam por aqui.


4 comentários:

  1. Ai, também preciso fazer um balanço geral de 2011 e concordo contigo que eu tb abandonei um pouco o blog, kkkkkkkkkk, espero que em 2012 seja diferente.

    Quanto aos outros "aspectos", cheguei a conclusão que as pessoas só mudam de endereço, em sua maioria, porque os sentimentos no decorrer do ano, é igual pra todo mundo exceto pela intensidade com que cada um sente.

    FELIZ ANO NOVO!

    ResponderExcluir
  2. Nem me fale Felicia.... estudar é uma luta dia-pós-dia, pelo menos pra mim.
    Temos que manter o foco!

    ResponderExcluir
  3. Lindona, tudo bom? Quanto tempo né? Mas agora o blog tá de volta. Mais sincero e apimentado do que nunca. Te espero lá.

    Beijinhos, Nane

    ResponderExcluir
  4. Nane, vou lá dar uma conferida então .. bjs

    ResponderExcluir